Arquivo mensal: abril 2009

>Frases antológicas: Charlie Chaplin

>

Charles Spencer Chaplin Jr., mais conhecido como Charlie Chaplin, foi um ator, diretor, dançarino, roteirista e músico britânico. Por sua inigualável contribuição ao desenvolvimento da sétima arte, Chaplin é desde sempre o mais homenageado cineasta de todos os tempos, sendo ainda em vida condecorado pelos governos britânico e francês, pela Universidade de Oxford e pela Academia de Artes e Ciências Cinematográficas dos Estados Unidos.
Seu principal e mais conhecido personagem é conhecido como Carlitos, um andarilho pobretão que possui todas as maneiras refinadas e a dignidade de um cavalheiro, usando um fraque preto esgarçado, calças e sapatos desgastados e mais largos que o seu número, um chapéu-coco, uma bengala e um pequeno bigode.

Entre seus mais conhecidos filmes estão “O Garoto”,”Luzes da Cidade”,”Tempos Modernos”,”O Grande Ditador” e “Luzes da Ribalta”. Em 1972 Chaplin recebeu um prêmio especial da Academia pelas “suas incalculáveis realizações na indústria do cinema”, se tornando uma das maiores aclamações na história do Oscar, onde Chaplin foi aplaudido por mais de cinco minutos, em pé por todos os presentes.

Frases de Chaplin:

“A beleza existe em tudo – tanto no bem como no mal. Mas somente os artistas e poetas sabem encontrá-la.”

“A beleza é, no meu entender, uma onipresença da morte e do encanto, uma risonha melancolia que discernimos em todas as coisas da Natureza e da existência, essa comunhão mística que sente o poeta… algo assim como um raio de sol dourado e poeira que esvoaça, ou como uma rosa caída na sarjeta”

“A humanidade não se divide em heróis e tiranos. Suas paixões, boas ou más, foram-lhes dadas pela sociedade, não pela natureza.”

“A persistência é o caminho do êxito.”

“As duas personalidades que eu mais desejaria recriar em um filme seriam Napoleão e Jesus Cristo… Não representaria Napoleão como um general poderoso, mas como um ser fraco, taciturno, quase melancólico, e sempre importunado pelos membros de sua família. Quanto ao Cristo, gostaria também de modificá-lo no espírito das massas. Acho que a personagem mais forte, mais dinâmica e mais importante que já existiu, acabou por ser terrivelmente deformada pela tradição. Mostrá-lo-ia, então, acolhido em delírio por homens, mulheres, e crianças. As pessoas iriam ao seu encontro para sentir seu magnetismo. Não mais seria um homem piedoso, triste e distanciado; um solitário que acabou por ser o maior incompreendido de todos os tempos.”

“Creio no riso e nas lágrimas como antídotos contra o ódio e o terror. Os bons filmes constituem uma linguagem internacional, respondem à necessidade que os homens têm de alegria, de piedade e de compreensão. São um meio de dissipar a onda de angústia e de medo que invade o mundo de hoje… Se pudéssemos pelo menos trocar entre as nações, em grande quantidade, os filmes que não constituem uma propaganda agressiva, mas que falam a linguagem simples dos homens e das mulheres simples… isso poderia contribuir para salvar o mundo do desastre.”

“Creio que não se pode fazer nada de grande na vida se não se fizer representar o personagem que existe dentro de cada um de nós.”

“Creio que o pecado é realmente um mistério tão grande como a virtude.”

“Eu continuo a ser uma coisa só, apenas uma coisa – um palhaço, o que me coloca em nível bem mais alto que o de qualquer político.”

“Há dentro de nós alguma coisa que nos induz a esquecer o ódio e os aspectos desagradáveis da vida”

“Na verdade, o personagem Carlitos – essa figura que não sou eu, mas que se assemelha comigo como a um irmão – é para mim uma terrível responsabilidade.”

“Nada é permanente nesse mundo cruel – nem mesmo os nossos problemas.”

“Não creio em nada e de nada descreio. O que concebe a imaginação aproxima-nos tanto da verdade como o que pode provar a matemática.”

“Não é preciso ser judeu para ser antinazista. Basta ser uma pessoa humana, decente e normal.”

“No correr da última cena, notei que Einstein enxugava os olhos – mais uma prova de que os cientistas são incuravelmente sentimentais.”

“Por simples bom senso, não acredito em Deus. Em nenhum.”

“Que eu seja um comediante – mas um comediante que pensa.”

“Quem está distante sempre nos causa maior impressão”

“Se o autor não se emociona com a sua própria criação, dificilmente pode esperar que outros o façam. Com franqueza, divirto-me com as minhas comédias mais do que o público.”

“Seja qual for a melodia, o resto é apenas floreio”

“Pensamos em demasia e sentimos bem pouco. Mais do que de máquinas, precisamos de humanidade. Mais do que de inteligência, precisamos de afeição e doçura. Sem essas virtudes, a vida será de violência e tudo será perdido.”

“Lutemos por um mundo novo… um mundo bom que a todos assegura o ensejo de trabalho, que dê futuro a juventude e segurança à velhice.”

“O tempo é o melhor autor. Sempre encontra um final perfeito.”

>A moda geek

>

Geek é uma gíria da língua inglesa que designa uma pessoa inteligente e muito estudiosa. São similares aos nerds, a diferença é que os geeks são mais sociáveis e mais descolados. Essa menor desinibição fez com que eles ganhassem além de notoriedade profissional, que conseguem com facilidade, mais popularidade.
Atualmente ser geek tem até um status cool: são inteligentes, possuem bons empregos, ganham muito dinheiro e têm popularidade. Tirando partido dessa situação o site “Think Geek” (Pense como um geek) aproveita a onda e comercializa vários produtos em que geralmente o humor é o ponto forte. Tem muita coisa interessante mas as camisetas são bem bacanas:


Esta é para grávidas. Muito legal!
A fórmula do chocolate:
Tem camiseta para crianças:
Nesta a estampa de bateria emite sons. Quer coisa mais geek que isso?

Quer ver mais produtos? Acesse www.thinkgeek.com

>Lá vem a noiva…

>

Maio está chegando e com ele uma enxurrada de casamentos conforme a tradição prega. Você já notou que por mais variações que existam nas cerimônias de casamento, no fundo é tudo igual? Tá bom, tá bom, há exceções como tudo na vida, mas tem uma certa repetitividade. Ainda que existam aqueles que casam de dia, outros de noite; uns que se unem só no civil, outros que pedem uma bênção religiosa; gente que convida 10 pessoas e casais que fazem festas para 500 convidados, todos acabam seguindo a tradição. Mesmo que seja só um pouquinho.
Já que sempre nos deparamos com esses símbolos do casamento, aprenda mais um pouquinho sobre seus significados:

Buquê: seu uso começou na Grécia antiga quando era confeccionado com ervas e alho com a finalidade de espantar o mau-olhado. Só com o tempo as flores foram adotadas como símbolo da busca pela felicidade. Os cristãos difundiram o costume de usar o Lírio, pois essas foram as flores que Santa Maria carregou em seu casamento. O gesto de jogar o buquê representa que a pessoa que o pegou continuará florescendo.

Arroz: os grãos são jogados sobre os noivos após o término da cerimônia. Dizem que se trata de uma tradição chinesa que traz fartura ao novo casal.

Vestido branco: na Roma antiga os candidatos aos cargos públicos vestiam branco para atestar sua pureza e moralidade. O hábito foi adotado pelas noivas no século XIX, a partir de uma idéia da rainha Vitória almejando alcançar os mesmos valores. Porém, é interessante ressaltar que na Idade Média as noivas usavam vestidos vermelhos.

Aliança na mão esquerda: o anel simboliza união, um vínculo que não pode ser quebrado. A razão que explica o costume de usá-lo no dedo anular esquerdo não é bem clara. Há quem afirme que isso teve início com os antigos egípcios, pois eles acreditavam que dali partia uma veia ligada diretamente ao coração. Mas ainda há uma outra explicação dada pelos chineses. É o mais ou menos o seguinte, cada dedo da mão tem um significado: os polegares significam seus pais, os indicadores representam seus irmãos, o dedo médio é você, os anulares você e seu par, por fim o mindinho significa seus filhos. Quando se junta as mãos (da maneira que mostra o vídeo) os todos os dedos se “descolam”, menos os anulares. Por esse motivo o anel, que representa a união do casal, deve ser usado no dedo anular.Veja o vídeo:

http://www.youtube.com/get_player

Essa do anel é interessante, não é?

Felicidades a todos os noivos leitores do Peramblogando!

>Fotografias de Manuel Libres Librodo Jr.

>

Manuel Libres Librodo Jr. é um fotógrafo filipino que vive na Tailândia. Suas fotografias caracterizam-se por retratar todos os tipos de pessoas, das mais variadas culturas. Veja alguns exemplos de seu belo trabalho.


Para mais fotos de Librodo acesse o Desventura. Além de um post exclusivo sobre o fotógrafo, apresentando vários de seus trabalhos, o blog disponibiliza também um link para acessar outras inúmeras galerias com fotos do filipino.

>Top 10: Abertura de Novela

>

10º. Felicidade: novela de Manoel Carlos, exibida em 1991. A trama de Felicidade se desenrolava no Rio de Janeiro e em uma cidade fictícia do interior de Minas Gerais chamada Vila Feliz. Os protagonistas Helena e Álvaro foram interpretados por Maitê Proença e Tony Ramos. A abertura mostra pessoas felizes, correndo, cavalgando e no final uma menininha até voa! Merece o 10º lugar, pois com esse tanto de arco-íris parece a abertura de Punk, a levada da Breca. Abertura: Felicidade
9º. Tropicaliente: escrita por Walther Negrão, a novela foi exibida na faixa das 18h no ano de 1994. A abertura foi criada por Hans Donner que, para corroborar com o clima tropical da trama rodada no Ceará, traz cores quentes na iluminação e no figurino. Repare que as frutas tropicais viram saias das dançarinas, um maço de brócolis vira uma ilha e os bailarinos dançam em um prato de lagosta. A trilha muito bem escolhida é “Coração da gente” de Elba Ramalho. Merece o 9º lugar pelo colorido de encher os olhos. Abertura Tropicaliente

8º. Vamp: novela de Antônio Calmon, foi ao ar em 1991 e fez grande sucesso com o público jovem. A trama narrava a história de uma família que vivia na tranquila Armação dos Anjos até que chega Natasha, uma cantora que é vampira, que acaba com o sossego da cidade. A abertura parece um vídeoclipe e traz o clima vampiresco da novela e, por isso, merece o 8º lugar. Chegava a dar medo… Abertura: Vamp

7º. O Cravo e a Rosa: A abertura de O cravo e a rosa era inspirada em fotos e filmes do início do século XX. Um camafeu dourado girava no ar e, a cada volta, mostrava imagens em preto-e-branco, típicas do cinema mudo, com aparência de película antiga, de vários personagens da novela, em especial Petruchio e Catarina. Algumas imagens de época e grafismos característicos da década de 1920 foram incorporados a cenas da novela através de computação gráfica. Em agosto de 2001 a abertura foi escolhida a melhor do ano pelo júri do II Festival Latino-Americano de Cine Vídeo, em Mato Grosso do Sul.* Merece o 7º lugar porque é um charme! A música de abertura é “Jura”, de Zeca Pagodinho.
Abertura: O Cravo e a Rosa

6º. Anjo Mau (remake): adaptação da novela original que foi ao ar em 1976, escrita por Cassiano Gabus Mendes. O remake foi exibido no horário das 18h, tem autoria de Maria Adelaide Amaral e abertura elaborada por Hans Donner. Note que a imagem da moça está em preto e branco, mas a medida que ela vai se vestindo e se maquiando, aos poucos ganha cores. É bastante simples mas merece o 6º lugar pela delicadeza. O tema de abertura é “Cruzando Raios” do Orlando Moraes. Abertura: Anjo Mau

5º. Deus nos Acuda: trama das 19h, exibida em 1992, escrita por Sílvio de Abreu, Alcides Nogueira e Maria Adelaide Amaral. A abertura é uma denúncia à corrupção no Brasil retratada pela lama que invade uma festa de luxo e começa a inundar o ambiente. O processo da gravação parece ter sido bastante trabalhoso, pois o cenário foi montado em uma espécie de gaiola que era colocada dentro de uma piscina e ali a lama cenográfica era despejada. As gravações eram rodadas uma ver por dia, pois o líquido sujava o figurino que tinha de ser lavado depois de cada filmagem. A abertura merece o 5º lugar pela crítica embutida na produção e pela piscina de lama que ficou muito legal. A música tema “Canta Brasil” é intrepretada por Gal Costa. Abertura: Deus nos Acuda

4º. Rainha da Sucata: trama escrita por Sílvio de Abreu, exibida em 1990. A abertura de Rainha da sucata, desenvolvida por Hans Donner e Nilton Nunes, mostrava uma boneca de sucata, confeccionada pela equipe com um ventilador, um ferro e uma tábua de passar roupas, baldes e molas. Ao som de Me chama que eu vou, de Sidney Magal, música-tema da novela, a boneca dançava lambada com bailarinos reais. Me chama que eu vou virou hit e foi uma das músicas responsáveis pela consagração da lambada no país.* Merece o 4º lugar porque a bonequinha de sucata dançando lambada é o máximo. Abertura: Rainha da Sucata



3º. Despedida de solteiro:
novela das 18h, exibida em 1992. Foi escrita às pressas por Walther Negrão, pois a estréia de Mulheres de Areia já estava programada mas Glória Pires, que interpretaria a protagonista, engravidou. Por esse motivo, Despedida de Solteiro foi rapidamente preparada para entrar no ar. A abertura da novela simula um jogo de vídeo game em que a mocinha é raptada e o rapaz se arrisca para tentar salvá-la. Merece o 3º lugar por causa da criatividade. A música é “Sugar Sugar”, um clássico do The Archies mas aqui remixada por DJ Les And The Kool Kat. Abertura: Despedida de Solteiro

2º. Vira-lata: escrita por Carlos Lombardi, essa novela foi exibida no horário das 19h e tinha um cachorro, o Zé, como um dos protagonistas. No início eram utilizados 18 cães para interpretar apenas 1 personagem, mas no decorrer da trama o número reduziu para apenas três bichinhos. A abertura mostra um cachorro (feito em animação digital) que é desprezado mas consegue salvar uma criança e vira herói. Merece o 2º lugar pela fofura. O samba da abertura é “Cachorro Vira-Lata”, aqui cantado por Baby do Brasil. Abertura: Vira-Lata

1º. Carrossel: produção mexicana exibida pelo SBT em 1990, apesar de que houve reprises durante algum tempo após o término da novela. A trama mostrava as histórias da professora Helena e dos alunos da Escola Mundial. A longa abertura de dois minutos merece o 1º lugar porque é extensa e mesmo assim é aquela que as pessoas mais sabem de cor.
Abertura: Carrossel


*trecho retirado do site http://www.memoria.globo.com

>Você acha que sabe andar de bicicleta?

>

Danny MacAskill, piloto do vídeo abaixo, é um misto de ciclista, malabarista e doente mental. Isso porque para fazer o que ele faz não pode ser só bom em manobras, tem que ter algum tipo de retardo que impede o cidadão de pensar em quantos pontos ele pode levar andando sobre uma grade ou na morte quando ele dá um backflip usando uma árvore como rampa…

E eu que levei anos para pular da calçada pra rua.

Vi no Haznos

>Comandos em Ação

>

Sem dúvida, um dos brinquedos que me proporcionaram maior diversão durante a infância, e que ainda hoje deixam boas lembranças, foram os chamados Comandos em Ação. E

O ano era 1984 quando a companhia de Brinquedos Estrela S/A iniciou a produção dos originalmente chamados G.I.JOE, nomeados de Comandos em Ação no Brasil. Em peregrinação pela net acabei encontrado as seguintes informações sobre o produto.

“Mais articulados que qualquer outra figura de ação da época, a primeira vista lembravam o velho Falcon, só que bem menores. Vinham com acessórios como arminhas, capacetes, rádio- transmissores e viseiras. Bem feitos, bem pintados e embalados em cartelas coloridas, com uma ilustração do personagem em situação de batalha e ao fundo um invariável cenário de explosão, vermelho, amarelo e preto.”

“O logotipo também remetia ao Falcon: a cabeça de um sujeito barbudo ao lado de várias outras. O slogan? Os colecionadores de aventura. Com todos esse apelos, era impossível não encher os olhos de qualquer garoto da época. O sucesso foi imediato. E então, naquele ano, nascia uma nova era para a figura de ação no Brasil e o brinquedo que povoou a infância de toda uma geração e que hoje, mesmo 2 décadas depois, ainda faz parte da lembrança de muitos adultos saudosistas e da vida de dedicados colecionadores.”

Me lembro que, como eram muitos os bonecos e veículos lançados, ficava difícil possuir todos, o que de certa forma era interessante pois, ao reunir os amigos para travar batalhas épicas, reunia-se também personagens e veículos os quais nem todos possuíam.

O grande problema dos bonecos era a fragilidade. Os polegares ,que serviam para fixar as armas, logo quebravam. Com o tempo, a borracha que servia de “coluna” também se rompia. As vezes era a perna que quebrava. Me lembro da série de “soldados feridos” que possuía.

Para minha surpresa descobri que está sendo produzido um filme sobre os Comandos, que aliás já estréia em agosto próximo. O primeiro trailer foi revelado durante o Superbowl nos EUA.

Consegui reconhecer alguns personagens. É esperar pra ver o resultado.

Pra quem quiser matar as saudades ou descobrir o que compunha o universo Comandos em Ação, a dica é o site Yo Joe Brazil que reúne amantes e colecionadores do brinquedo e de onde foram retiradas as informações para este post.

>O fenômeno Susan Boyle

>

Muito já foi escrito sobre Susan Boyle, a figura que apareceu em um programa britânico tipo “Ídolos”, a qual ninguém levava fé e de repente… bem, com mais de 100 milhões de acessos no youtube, todos já devem saber que ela arrebentou. Cantou demais, super afinada, chocando o júri e a platéia de incrédulos que minutos antes a ironizava.

Mas o que aconteceu de lá pra cá? A Priscila, do ótimo Meu Segundo Caderno, fez a reconstituição da meteórica trajetória de 15 dias da nova estrela da música.

Em um mundo onde o consumo do novo pauta a existência de quase todos, por quanto tempo resistirá Susan? Depois que todos já não acharem mais graça na feiosa ingênua que canta muito, qual será a bola da vez? Tô apostando em um papagaio que tem aqui perto de casa e que canta “O Sole Mio” com a voz do Silvio Santos… deixa ele cair no youtube, deixa.

>Como é criado um comercial: Axe Instinct

>

A Axe lançou a algum tempo o comercial do seu desodorante Instinct, em que um homenzinho das cavernas é atingido por um geiser, encontra um Axe dentro de uma pedra e se torna “o cara” das cavernas. Tudo feito em massinha e filmado em stop-motion, que é aquela coisa de “tira uma foto, mexe o braço 1mm, tira outra foto mexe mais 1mm” e por aí vai….

O interessante neste caso, é o imenso trabalho que se tem para fazer um comercial desse tipo. A produtora Passion Pictures conseguia com um dia inteiro de trabalho, apenas 2 segundos de filme. Haja paciência.

Para exemplificar, veja o making of e o resultado no final. Muito legal.

Vi no Casa de Cinema Stop Motion do futuro colaborador do Peramblogando, Leonardo Moreira.

>Taí! Pra você gostar de mim

>

Na última sexta-feira os belohorizontos tiveram a oportunidade de assistir ao espetáculo “Alô… Alô?: 100 anos de Carmem Miranda“. O projeto é uma iniciativa do Centro Cultural Banco do Brasil em comemoração aos 100 anos de nascimento de Carmem.

Nascida em Portugal em 09 de fevereiro de 1909, Carmem veio para o Brasil com menos de um ano e por isso adotou o país como sua terra natal. Sua carreira artística engrenou em 1930 com o sucesso da marchinha “Taí (Pra você gostar de mim)”.

Em 1939 a cantora e atriz foi para os Estados Unidos trabalhar em Hollywood. Lá ganhou o apelido de Brazilian Bombshell, ou explosão brasileira, e consolidou sua carreira internacional.

A homenagem montada para uma das artistas mais famosas que o Brasil já teve conta com a direção artística e musical de Luís Felipe de Lima e é apresentada por uma banda de primeira linha. Já os vocais ficam a cargo de nada mais nada menos que: Robertá Sá, Beatriz Faria, Pedro Luís e Marco Sacramento. A forma da apresentação varia entre performances solo, formações em dupla e em quarteto. A cada canção somos surpreendidos com o talento dos cantores, tanto no que diz respeito à qualidade vocal quanto à interpretação do repertório de Carmem. Eis algumas músicas do playlist: Boneca de Piche, Chattanooga Choo Choo, Alô…Alô?, Chica-Chica Bum- Chic, Disseram que Voltei Americanizada, Taí (Pra você gostar de mim), Cai Cai, Goodbye Boy e Mamãe eu Quero.

Além das apresentações dos cantores, o espetáculo exibe depoimentos do jornalista Ruy Castro, autor da obra “Carmem, uma Biografia” que pesquisou sobre a vida da cantora durante 5 anos. Segundo Castro, Carmem Miranda inventou um jeito brasileiro de cantar que, aliás, os cantores do espetáculo incorporam muito bem.

O preço cobrado pelos ingressos em Belo Horizonte foi 15 reais inteira, 6 reais meia-entrada para estudantes e 7,50 meia-entrada para idosos. Uma cobrança quase simbólica se for considerado o investimento em pesquisa e o alto nível dos músicos. Ao final da apresentação os cantores disseram que irão se apresentar em Brasília, mas não divulgaram a data. No site do Centro Cultural BB Rio de Janeiro, estão registradas apresentações na cidade nos dias 12/05, 19/05, 26/05 e 02/06. Fiquem atentos à agenda do espetáculo e aproveitem a oportunidade de aprender mais sobre a importância de Carmem para o repertório musical brasileiro e para curtir um show com músicos de alta estirpe.

É imperdível!