Arquivo mensal: julho 2009

>Graveola e o lixo polifônico

>O que seria Graveola e o lixo polifônico… O nome remete a sons… Muitos sons… Sons ruins? Ou simplesmente sons descartados? Talvez sons subestimados… Recortes sonoros, fragmentos musicais…

Melhor deixar a definição por conta da própria banda:
“Graveola e o lixo polifônico é uma oficina de experimentação, uma caixa de possibilidades poético-sonoras. São improvisadores capengas, falsários poliformes: tudo é referência na colagem musical do grupo. Das aproximações insólitas, o choque. Reagem os nomes: estética do plágio, pós-tropicalismo, culinária sonora, barroco-beat. Para além dos inúmeros rótulos auto-intitulados, mais importa a fertilidade plástica das imagens da lixofonia, o infindável e redobrável slogan que lhes constitui a lírica. Dos sotaques refinados ao kitsch, o lixo polifônico sequestra a legibilidade vomitada do pop e incorpora tudo ou qualquer coisa como ferramenta sonora, mistura o fino e o grosso a ponto de torná-los indistinguíveis. ‘Eis o liquidificador, o totem’. “

Continua sem entender bem do que se trata? Então um pouco da história desse projeto.

“Meados de 2004. Ao violão, juntavam-se instrumentos de brinquedo e utensílios domésticos: pianolas, flautinhas, copos, chaveiros, até uma lixeira em desuso. Por sobre as canções dos grandes nomes, enxertavam-se fragmentos amaldiçoados da cultura pop, paródias e esboços de composições próprias, oscilando entre o lirismo e o deboche.

Na despretensão das reuniões musicais, o humor levado a sério: ensaia-se a possibilidade do lixo como matéria prima. A brincadeira sem maiores propósitos aos poucos adquire dicção própria, as idéias começam a tomar corpo e uma identidade muito peculiar começa a se constituir. No som, as absorções notadamente irresponsáveis, o desajeitamento é quase proposital. No repertório que se forma, as referências vêm dos mais variados gêneros, e o trabalho autoral que se desenvolve acaba absorvendo traços de todos e nenhum deles.”

Ainda confusos? Então sugiro que vocês entrem no site da banda ou no myspace e ouçam a criatividade do lixo polifônico. Cada música se parece com dezenas de outras que vocês já ouviram anteriormente, ao mesmo tempo em que soam completamente novas. A melhor maneira de entender do que se trata Graveola e o lixo polifônico é ouvindo seu som.

Ah, o site disponibiliza o download gratuito do cd de estréia da banda.

>Cerveja azul

>

A loirinha gelada chegou em uma versão “não loira”. Existe agora uma cerveja azul. Os japoneses, sempre inovadores, inventaram uma cerveja com a coloração azul, mas dizem que o tradicional gosto não foi alterado.
A fábrica Abashiri Beer é responsável pelo produto que é feito com a água dos Icebergs e com um tipo de alga marinha para dar coloração azul à cerveja. A mesma Abashiri Beer já tem uma linha de cerveja vermelha e outra de cor verde. Haja criatividade!

>Frases antológicas: Victor Hugo

>

Victor-Marie Hugo, ou simplesmente Victor Hugo, foi um escritor e poeta francês de grande atuação política em seu país. Entre sua extensa e influente obra, destacam-se “Cromwell”, “Vozes interiores”, “Os castigos”, “Lucrécia Bórgia”, “Os miseráveis” e “O Corcunda de Notre-Dame”.

Frases:

“Saber exactamente qual a parte do futuro que pode ser introduzida no presente é o segredo de um bom governo”.

“O maior sonho dos heróis é ser grande em todos os lugares e pequeno com o seu pai.”

“A melancolia é a felicidade de estar triste.”

“A palavra, como se sabe, é um ser vivo.”

“Resistimos à invasão dos exércitos; não resistimos à invasão das idéias.”

“A verdade é como o Sol. Ela permite-nos ver tudo, mas não deixa que a olhemos.”

“Amigo, oculta a tua vida e expõe o teu espírito.”

“Amar é saborear nos braços de um ente querido a porção de céu que Deus depôs na carne.”

“Não ter nada para fazer é a felicidade das crianças e a infelicidade dos velhos.”

“Deus abençoa o homem, não por o ter encontrado, mas por havê-lo buscado.”

“Vivem somente os que lutam.”

“Os infelizes sao ingratos; isso faz parte da infelicidade deles.”

“O homem honesto procura tornar-se útil, o intrigante tenta ser necessário”.

“O belo é tão útil quanto o útil. Talvez até mais”.

“De quem tem o coração morto, nunca os olhos choram.”

“É das feições dos anos que se compõe a fisionomia dos séculos.”

“As realidades da alma, por não serem visíveis e palpáveis, nem por isso deixam de ser também realidades”

“Ó impiedosa marcha das sociedades humanas, em que não se dá atenção aos homens e às almas que se vão perdendo!”

“Chega sempre a hora em que não basta apenas protestar: após a filosofia, a ação é indispensável.”

“Amar ou ter amado é o bastante. Depois, não exijam mais nada. Além dessa não existe outra pérola escondida entre as dobras escuras da vida. Amar é completar-se”.

“Substituir o pensamento pelo sonho é confundir um veneno com alimento”.

“A gargalhada é o sol que varre o inverno do rosto humano.”

“A suprema felicidade da vida é a convicção de ser amado por aquilo que você é, ou melhor, apesar daquilo que você é.”

>Mundo do Arthur

>Peramblogando pela internet encontrei um blog chamado “Mundo do Arthur“.

Aqui você encontrará o melhor e o pior da minha mente, traduzida em forma de tirinhas humorísticas.” A frase é de Arthur Ottoni, criador do blog, explicando o que podemos esperar de seus posts.

O blog surgiu em fevereiro deste ano e impressiona pela quantidade de posts. Suas tirinhas estão agrupadas nas seguintes séries: “Psico Girlfriend”, “Jovens Acéfalos”, “300 de Esparta”, “Marina: Quando Falha o Coração”, “Os Soldadinhos”, “Seu Madruga stand-up comedy”, “Outros do Meu Mundo” e “De Outro Mundo”.

Seguem abaixo exemplos do trabalho de Ottoni.



Se você gosta de tirinhas de boa qualidade, dirija-se já para o “Mundo do Arthur“. Se você não suporta tirinhas, também dê uma passada por lá. Além dos trabalhos próprios, Arthur também posta materiais de outros blogs, sempre privilegiando o humor. Afinal, como diz a mensagem inicial do blog, “Se rir não for o melhor remédio, pelo menos é o mais barato.

>Eu caibo, Tu cabes, Ele cabe…

>

Eu valho, Tu vales, Ele vale…
Para você soa estranho falar eu caibo? Ou eu valho? Mas é a forma gramaticalmente correta. Para evitar muitas pegadinhas da nossa complicadinha língua portuguesa, o site Conjuga-me conjuga (conforme o nome já diz) os verbos que você escolher, exceto os compostos. Guarde este trunfo na manga para as horas de aperto: http://www.conjuga-me.net

Bacana!

>Para que serve um guarda-chuva?

>Certamente para mais coisas do que você imagina.






Legal demais!

Do site: www.toxel.com/inspiration/2009

>Disco da semana – Acid Queen

>“Acid Queen” (1975) – Tina Turner

Faixas:

1. “Under My Thumb”
2. “Let’s Spend the Night Together”
3. “Acid Queen”
4. “I Can See for Miles”
5. “Whole Lotta Love”
6. “Baby Get It On”
7. “Bootsy Whitelaw”
8. “Pick Me Tonight”
9. “Rockin’ and Rollin'”

>Tirinha de domingo – Turma da Mônica

>

>O destino dos ricaços

>

Caso você se tornasse rico, iria mudar de país? Se a resposta for sim, qual lugar escolheria? Uma praia da Nova Zelândia, uma ilha da Polinésia, uma mansão na Grécia? Qualquer um desses lugares seria ótimo não é mesmo? Mas não é o que geralmente escolhem os ricaços. O extinto blog Coisas da Suíça trouxe uma lista que apresenta os 10 destinos mais procurados pelos milionários:
1. Suíça

2. Londres

3. Singapura

4. Nova Iorque

5. Hong Kong

6. Jersey

7. Cayman

8. Isle of Man*

9. Mônaco

10. Dubai

De acordo com o blog, a Suíça é o destino nº1 por causa da “estabilidade política e econômica, segurança legal, infra-estrutura perfeita e um dos melhores sistemas de ensino do mundo”. É, os motivos até que são convincentes, mas mesmo assim eu não deixaria de ter uma mansão na Grécia. rs

*Não conhecia esse lugar, por isso fui pesquisar: trata-se de uma ilha situada entre a Inglaterra e a Irlanda. Local considerado a capital mundial das corridas de rua e também foi onde nasceram os integrantes do Bee Gees. Vivendo e aprendendo!

>Twittando na prova

>Olha a criatividade do aluno! rs
(clique na imagem para ampliar)

Só uma dúvida: não está escrito no cabeçalho que a resposta é pessoal? Então por que o professor deu nota zero?

Via @Pablo_Peixoto